SOLIDÃO, para amar! férias comigo mesmo…

209

Melhor só do que mau acompanhada, frase comum no universo feminino, em dias de escassez de relacionamento maduro, como dizem…mas será que esta solidão está sendo bem aproveitada, criativa e satisfazendo de fato as mulheres. Será que quem está sozinha está aproveitando, para que o fortalecimento individual traga o amor verdadeiro e maduro e o faça ficar?

Por que a solidão e dar conta de si é tão importante? E por que parar pode ser um começo ou um recomeço de uma relação mais verdadeira e feliz, com você e com a pessoa escolhida?

Se você procura ser independente e feliz, é daquelas que acha que está na moda yes estresse, ser workaholic, e que ansiedade é normal em pessoas produtivas, você precisa amar. Na verdade você precisa parar, e SE AMAR.

Muitos são os avanços e conquistas do feminino, nas mais variadas áreas, independência ou morte está acontecendo e é um fato, mas que tipo de independência falamos? Econômica, Política, Social, Psicológica? Todas? As mulheres, o mundo, os relacionamentos, as configurações familiares mudaram e estão mudando, e nos questionando sobre o conceito de amor.

Como amar em tempos modernos? Relações abertas, diferentes, confusas, líquidas, que começam e terminam rapidamente, um já foi e o outro lá esperando, ou nem foi ainda e outro chegando. A verdade é, que se tivéssemos pessoas mais seguras e menos confusas não teríamos uma economia crescendo em escala tão grande, Nada contra o crescimento econômico ou o desenvolvimento, mas é o desenfreado e não sustentável mundo novo que preocupa. Para tampar o vazio interno, é necessário possuir muito no externo, haja visto um vazio grande em si. Nada contra se realizar comprinhas e conquistas, o importante é não nos perdermos nelas.  Quanto mais a pessoas foge de si e do que tem dentro de si, mais têm a necessidade de buscar intelectualmente e materialmente fora, investindo toda sua libido em conquistar e organizar coisas, empobrecendo muitas áreas de suas vidas.

Como construir uma relação com individualidade, respeito, alegria e prazer de estar juntos, e não uma relação de dependência, ou conveniência, onde um responsabiliza o outro pelo seu bem-estar, ou culpa o outro pelo seu mau-estar?

Pensar que uma pessoa é o remédio para nossa felicidade, nasceu com o romantismo, e está desaparecendo cada dia mais. O amor romântico parte da premissa de que somos uma fração e precisamos encontrar nossa outra metade para nos sentirmos completos. O que facilmente ocorre é um processo de despersonalização que, historicamente, atinge mais a mulher. Ela abandona suas características, para se amalgamar ao projeto masculino. A teoria da ligação entre opostos também vem dessa raiz: o outro tem de saber fazer o que eu não sei.
Se sou manso, ele deve ser agressivo, e assim por diante, mas o que vejo é que com tantas mudanças a palavra PARCERIA tem sido uma incrível conquista entre casais. Quanto mais o indivíduo for competente para viver sozinho, mais preparado estará para uma boa relação afetiva. A solidão é boa, ficar sozinho não é vergonhoso. Ao contrário, dá dignidade à pessoa. As boas relações afetivas são ótimas, são muito parecidas com o ficar sozinho, ninguém exige nada de ninguém e ambos crescem.

 

Adm. ROBERTA GALVANI DE CARVALHO.

Consultora Estratégica e Master Coach, estudiosa do comportamento humano.

www.galvanicarvalho.com.br – (63) 9 99731389. www.transforme-se.com

Deixar um comentário